terça-feira, 8 de outubro de 2013

UFC Fight Night - Maia X Shields

Essas últimas semanas estão sendo extremamente conturbadas para mim, o que reflete, obviamente em minha produção do blog. Semana passada passei literalmente em branco, não conseguindo publicar nada. Foi a 1ª vez que isso me aconteceu desde que comecei o blog. Essa semana continuo na correria, mas vou conseguir publicar algo.

Como teremos evento do UFC nesse meio de semana, resolvi dar uns palpites sobre as lutas. Como meu tempo continua meio escasso, só vou fazer meus prognósticos para algumas lutas, mas sem comentar.

Palpites:

1 - Demian Maia X Jake Shields: Vitória de Demian Maia por finalização;

2 - Erick Silva X Don Hyun Kim: Vitória de Erick Silva por finalização;

3 - Thiago Silva X Matt Hamill: Vitória de Thiago Silva por nocaute;

4 - Fabio Maldonado X Joey Beltran: Vitória de Maldonado por decisão;

5 - Rousimar Palhares X Mike Pierce: Vitória de Mike Pierce por nocaute;

6 - Raphael Assunção X TJ Dillashaw: vitória de Assunção por finalização.

Amanhã saberemos e quinta volto com os resultados.


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Rock in Rio 2013 - Final

Tudo bem, sei que já acabou faz quase uma semana, mas não deu para escrever antes e, como já havia escrito sobre o 1º final de semana do evento, resolvi fazer alguns rápidos comentários sobre seu final.

Como era de se esperar, alguns shows interessantes e outros uma completa porcaria. Pelo menos teve mais rock do que no 1º final de semana. Vou me abster aqui de comentar das bandas de metal que eram as mais esperadas por grande parte do público. Iron Maiden, Metallica e Slayer fazem sempre o que se espera deles e todo mundo conhece ou já viu por aqui antes.

Do que vi, um dos que me chamou a atenção negativamente foi Kiara Rocks. É uma banda nacional de metal. Horrível. Os caras misturam inglês com português em suas músicas, deixando o que já é ruim, bem pior. Outro que foi pavoroso foi um tal de Philip Phillips. Ex-participante do American Idol. Só isso já deveria ser suficiente para desqualificar imediatamente o sujeito. Mas que nada. Para piorar e muito sua apresetação, fez covers medonhos de Thriller, do Michael Jackson e Let´s Get it On, do Marvin Gaye, que certamente estão se revirando no caixão até agora. Outros de lascar foram Matchbox Twenty e Nickelback. Duas drogas. Mas tudo pode (sempre) piorar, e os piores shows da 2ª parte do evento, sem dúvida alguma foram uma aberração chamada Ghost (chatíssimo. Quiseram fazer algo teatral, mas só encheram o saco de quem asssitiu) e... Bon Jovi. Isso mesmo. Cantou mal, desafinou e foi muito sem graça. Sempre achei o Bon Jovi um mequetrefe e ele me provou isso mais uma vez. Fraquíssimo!

Para mim, os melhores momentos do Rock in Rio 2013 foram, além do Living Colour semana passada, as apresentaões de Ben Harper com Charlie Musselwhite que deram uma verdadeira aula de rock e blues no palco sunset e, obviemente, o show do patrão "The Boss" Bruce Springsteen, que mostrou como se faz.

Já tinha visto pesoalmente um show do Ben Harper em Curitiba na única vez em que o extinto Free Jazz Festival aconteceu aqui nos anos 90. Foi na mesma noite da lenda do Jazz e um dos melhores saxofonistas de todos os tempos, Wayne Shorter. Naquela época e sempre depois disso, achei Ben Harper sem graça e superestimado por alguns. Mas agora não. Sua apresentação nesse Rock in Rio foi fantástica. Confira o que digo aqui e aqui.

De Bruce Springsteen nem há muito o que falar. Simplesmente a melhor apresentação do Rock in Rio 2013 em sua totalidade. Engoliu todos os outros. Bruce Springsteen é um exemplo de artista sério e que respeita seu público. Desde os anos 70 tem uma carreira e discografia sólidas e mostra que não precisa fazer firulas nem gracinhas no palco para dar show. Espetacular. Veja aqui sua apresentação completa.

Sensacional, hein? Foi o que valeu de verdade.

E você, o que achou?


terça-feira, 24 de setembro de 2013

UFC 165 Jones X Gustaffson - Comentários

OK. Disse que ontem voltaria e comentaria o evento de sábado passado, mas me foi impossível. Na verdade está sendo bem complicado para manter o blog atualizado. Tem faltado tempo e, como escrevo sozinho, não consigo publicar todos os dias da semana, como antes.

Mas, vamos ao que interessa. Apontei aqui 6 resultados para as lutas de sábado e acertei 5. Ótimo aproveitamento. Agora, em relação à maneira como os resultados se dariam, consegui a proeza de errar todos. Outra falha minha foi em relação à presença de outro brasileiro que acabei esquecendo: Michel Prazeres, o Michel Trator, que fez bonito e derrotou Jesse Ronson em decisão dividida.

Na 4ª luta da noite, marquei vitória de Renee Forte sobre John Makdessi. No fundo achava que Makdessi iria ganhar, mas mesmo assim apostei em Renee Forte, que foi nocauteado humilhantemente no 1º round.

No 7º duelo da noite, o estreante Wilson Reis venceu o perigoso Ivan Menjivar por decisão unânime. Estreou bem Wilson Reis.

Já no card principal, acertei meus palpites nas vitórias de Khabib Nurmagomedov sobre Pat Healy e na vitória de Brandan Schaub sobre Matt Mitrione. 

Nurmagomedov, apesar da vitória, vem se apresentando não muito bem. Suas lutas anteriores foram ótimas. As duas últimas, chatas e burocráticas. Venceu seu oponente, mais uma vez, nos pontos.

No confronto dos pesados, vitória de Schaub por finalização. Outra luta meio fraca de 2 lutadores fracos. Sem maiores comentários. Qualquer um dos dois poderia ter ganho, mas Schaub, que é um pouquinho melhor que Mitrione, levou a melhor. Aplicou um estrangulamento com um triângulo de mão invertido ainda no 1º round.

O que interessava mesmo eram as 2 últimas lutas da noite, ambas com defesa de título.

O brasileiro, campeão interino dos galos, Renan Barão, enfrentou Eddie Wineland. Wineland não é moleza. É ótimo striker e luta muito duro, conseguindo equilibrar as ações no 1º round. Acontece que Renan Barão está sobrando em sua categoria. Voltou para o 2º round e logo liquidou a fatura. Aplicou um chute rodado em Wineland que o fez despencar. Barão não perdeu tempo. Partiu para cima de Wineland atordoado no chão e o nocauteou deitado. Espetacular.

Renan Barão e o chute que derrubou Eddie Wineland


Agora Renan Barão espera para ver se o campeão afastado há 2 anos por lesão, Dominick Cruz, dá o ar de sua graça e aparece para lutar. O patrão Dana White já avisou que vai marcar um confronto entre os 2 para o começo do ano que vem. Se Cruz ainda estiver machucado, perde o cinturão definitivo para Barão. Na minha opinião, se ele lutar contra Barão vai perder de qualquer maneira.

Na última e mais importante luta da noite, o campeão dos meio-pesados Jon "Bones" Jones enfretou o sueco Alexander Gustaffson em luta que valia o título. Todo mundo já sabe o resultado, então não vou descrever a luta em si, mas sim fazer alguns apartes em relação ao que aconteceu.
 
Escrevi aqui que entendia que Jon Jones venceria Gustaffson por finalização e que a única alternativa do sueco seria fazer o que ninguém teve coragem de fazer. Chegar perto e bater em Jon Jones. Para surpresa de muitos, inclusive eu, foi exatamente isso que ele fez. Com uma ótima defesa de quedas, conseguiu impor o maior sufoco da carreira de Jon Jones até agora. Além disso, Gustafsson fez outra coisa que até hoje ninguém havia conseguido: aplicar uma queda no campeão. E logo no 1º round. Gustaffson acertou bem Jon Jones no rosto, chegando a tirar bastante sangue dele, provando que seu jogo em pé foi muito efetivo. 

Gustaffson (esq.) tenta se desvincilhar de Jones


Então, o que faltou para a vitória de Gustaffson? Faltou feijão. Isso mesmo. Pegando emprestada uma expressão comum para evidenciar que faltou força. Se Gustaffson batesse com mais força, teria nocauteado Jon Jones. Vamos dar um exemplo. Se Gustaffson tivesse a força do Shogun, teria sido o vencedor sem passar pelos juízes. Os juízes erraram? Roubaram para o americano? Na minha opinião, não. Quando a decisão vai para os jurados e o combate é parelho, tudo pode acontecer. Gustaffson ganhou claramente o 1º e 3º rounds. Jon Jones venceu o 2º e 5º. O X da questão foi justaente o 4º round, que estava sendo vencido por Gustaffson, até aquela cotovelada de Jon Jones que o desequilibrou. Isso definiu o combate.

Mas, muito mais que o resultado em si, o que fica são algumas impressões. 

- A 1ª, é que ficou claro que Jon Jones não é uma máquina invencível. Mostrou fragilidades e pontos fracos que até então não haviam aparecido. Façam um comparativo com o Anderson. Apesar de ter perdido de maneira ridícula para Weidman e da 1ª luta contra Sonnen, nunca ninguém fez contra ele o que Gustaffson fez com Jones.

- Então esse Gustaffson é o melhor e o único que pode derrotar Jon Jones? Claro que não. Lembrem-se da luta dele contra o Shogun. Lutou com um Shogun fora de forma e que ficou parado o tempo todo e mesmo assim só ganhou por pontos. Isso quer dizer que ele não tem tanto poder de nocaute. Se tivesse, teria derrubado Jones na porrada. Dá para dizer que Alexander Gustaffson ganharia fácil de Lyoto Machida? Em hipótese alguma. Acho que Machida ganharia dele.

- E Jon Jones? Sem as quedas e cotoveladas não sobra muita coisa, certo?

- Quem é o próximo da fila? Teoricamente seria o brasileiro Glover Teixeira, mas tem toda pinta de que ele será preterido em favor de uma revanche entre Jones e Gustaffson. 

Vamos aguardar os desdobramentos.



quinta-feira, 19 de setembro de 2013

UFC 165 Jones X Gustafsson - Palpites

Mais um evento do UFC e mais uma disputa de título. No próximo sábado 21/09, acontece no Canadá um evento muito interessante com direito a disputa de 2 títulos: o dos meio-pesados e o interino dos galos. Além dessas, algumas outras lutas merecem atenção, principalmente quando envolvem brasileiros.

Sem maiores delongas vamos aos combates e meus prognósticos para eles:

1 - Jon Jones X Alexander Gustafsson. Por mais que ache que Jon Jones está cada vez mais metido e por mais que torça contra, entendo que ainda não vai ser agora que vão derrotá-lo. O sueco Gustafsson é até bom lutador, mas não deve ter muita chance contra o campeão. Gustaffson é um nocauteador nato, mas sua única derrota foi por submissão, justamente a especialidade de Jones. Jon Jones também tem apenas uma única derrota, mas por desclassificação por golpe ilegal, ou seja, até agora ninguém ganhou mesmo do cara. A única chance de Gustaffson é fazer o que ninguém nunca fez. Ter a coragem de acertar Jon Jones de jeito e com  força. Tamanho para isso ele tem, tendo a mesma altura (mas menos envergadura) que Jon Jones. O problema é que todos já entram com medo e, portanto, derrotados, para enfrentar Jon Jones, o que facilita um bobado as coisas para ele. Quanto mais vitórias ele acumula, mais invencível parece. Vejam o caso do Anderson. Até outro dia parecia invencível, até que alguém foi lá e o superou. 

Palpite: Vitória de Jon Jones por finalização.


2 - Renan Barão X Eddie Wineland. Se fosse americano, Renan Barão provavelmente já teria recebido o cinturão definitivo dos galos, já que o campeão Dominick Cruz parece que não retorna nunca. Agora Barão terá que enfrentar, ainda como campeão interino, Eddie Wineland, dos EUA. Entendo que Wineland não vai ser páreo para Barão. Renan só precisa tomar cuidado com a trocação do americano, que foi como ele conseguiu a maioria de suas vitórias.

Palpite: Vitória de Renan Barão por finalização.


3 - Brandan Schaub X Matt Mitrione: O que esperar desse confronto? Não muito, certo? Os dois são trocadores e os dois já perderam para o Roy Nelson por nocaute. Para Mitrione pesa negativamente o fato de ter perdido para Cheik Kongo, que é uma espécie de saco-de-pancada dos pesados que nem luta mais pelo UFC.

Palpite: Como já lutou com adversários mais qualificados que seu oponente, aposto em vitória de Brendan Schaub por nocaute.


4 - Pat Healy X Khabib Nurmagomedov: Essa sim uma luta que deve valer a pena na categoria peso-leve. Healy que só fez uma luta sem resultado pelo UFC enfrenta o russo Nurmagomedov. Nurmagomedov é um fenômeno com 20 vitórias em 20 combates. É um lutador extreammente ágil, técnico e agressivo. 

Palpite: Vitória de Khabib Nurmagomedov por finalização.


5 - Ivan Menjivar X Wilson Reis: Estréia do brasileiro Wilson Reis no UFC. Especialista em Jiu Jitsu, enfrenta o experiente Ivan Menjivar pelos galos. Menjivar é muito mais esperiente que Reis e sua especialidade é a luta agarrada, onde conseguiu a maioria de suas vitórias por finalização. Entendo que seu jogo case bem com o de Wilson Reis. Se a luta transcorer no solo, o brasileiro tem ótimas chances. O salvadorenho deve saber disso e, portanto, tentar levar a luta em pé. Reis, como especialista em Jiu Jitsu deve colocar para baixo e finalizá-lo. Promete ser uma luta dura.

Palpite: Vitória de Wilson Reis por finalização.


6 - John Makdessi X Renee Forte: Outra luta envolvendo um brasileiro. Renee Forte enfrenta o pergioso americano nocauteador John Makdessi. Forte é finalizador e deve fazer de tudo para levar a luta para o solo, já que Makdessi é nocauteador e ele não. Se conseguir tem boa chance, já que vem de vitoria sobre o Terry Etim, que é muito bom lutador. Luta de prognóstico difícil.

Palpite: Vou apostar em Renee Forte só para ser patriota. Derrota Makdessi por decisão.

Segunda-feira volto com os resultados.  


segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Rock in Rio 2013 - 1ª Parte

Bem, como falei anteriormente, caso houvesse algo de interessante nessa 1ª parte do Rock in Rio, voltaria e comentaria a respeito. Para dizer a verdade, dei uma olhada geral e minha opinião não mudou. O line-up é, no geral, péssimo. Mas, se prestarmos atenção e tivermos a mente aberta, quase sempre conseguiremos tirar algo de positivo. Dos 3 dias até agora do festival e considerando apenas os palcos Mundo e Sunset, consegui extrair o seguinte: 

- 1º Dia, 13/09. Como já era de se prever, Rock in Rio com Beyoncé como nome principal do dia não dá. Aqui nem é questão de se gostar ou não de rock, mas sim de música. Ivete Sangalo e Beyoncé não fazem música, apenas conseguem produzir alguns sons e ruídos desagradáveis ao ouvido humano. Mas, como tudo tem (ás vezes) um lado bom, o Living Colour salvou o dia para quem realmente gosta de música. Os caras estão na ativa desde 1984 e tocam muito, fazendo um som bem característico, misturando hard rock com influencias de Soul, Rythm and Blues e Funk (o verdadeiro e não esse lixo do Rio de Janeiro que nem funk é, mas sim um sub-rítmo chamado Miami Bass Sound), além de tocarem demais. Confira aqui 2 bons momentos no Rock in Rio 2003 com Cult of Personality e Middle Man.

- 2º Dia, 14/09. Suposto dia com rock de verdade. Quem acreditou na promessa entrou pelo cano. Começou com o onipresente Capital Inicial e logo após veio a bandinha adolescente 30 Seconds to Mars, liderada pelo ator medíocre Jared Leto. Nem dá para considerar esses caras, que só enganam meninas de até 16 anos de idade. Para tirar um pouco do foco de seu som porcaria, os caras fizeram uma série de estripulias no palco, com direito a tirolesa, performances circenses e a indefectível camisa da seleção brasileira. 

Na sequência, finalmente algo que vale um comentário. Era a vez da banda Florence and The Machine, liderada por Florence Welch. Posso dizer que Florence and the Machine faz um som bem interessante. Um pop/rock/alternativo/indie realmente agradável. A vocalista Florence Welch canta muito bem e é talentosa. É perceptível suas influências em nomes como Patti Smith e Debbie Harry. Achei também, em alguns momentos, certa semelhança com artistas mais antigos, dos anos 60. Em certas músicas me lembrou (com ressalvas) o estilo vocal de Grace Slick com uma sonoridade que me fez referências sutis ao Fairport Convention e sua ótima vocalista Sandy Denny. Talvez eu esteja exagerando, mas algo nela me deu uma sensação de "já ouvi isso antes." Quem entender mais do assunto, dá uma olhada na apresentação do Florence com Only If For a Night e Cosmic Love e me diga se estou falando muita besteira.

A noite foi fechada com a banda Muse. Nunca tinha ouvido falar e provavelmente nunca comprarei um disco dos caras, mas o fato é que foi um bom show, apesar do playback em certos momentos. Os caras fazem um som bem interessante e de qualidade. Diria que é uma fusão de progressivo com glam e eletrônica, fortemente influenciada pelo Radiohead e Smashing Pumpkins. Não vou dizer que 100% das músicas apresentadas foram excelentes, mas certamente os caras mostraram ótimos momentos e bem convincentes. O destaque é para o guitarrista/vocalista Matthew Bellamy, que canta bem e se vira com habilidade na guitarra. O fato dos caras terem tido sua músicas como trilha dos filmes da saga infantilóide Crepúsculo não diminui em nada suas qualidades. Confirme o que digo em Supermassive Black Hole e Knights of Cydonia

- 3º Dia, 15/09. Mais do mesmo do 1º dia. Atração principal Justin Timberlake? É brincadeira. No palco Mundo só vergonheira. O que salvou o dia foi a brilhante apresentação do mestre George Benson com Ivan Lins. Essa é só para quem gosta de Jazz e MPB mesmo. Rock aqui, nem pensar. Confiram mais de meia-hora da apresentação dos caras aqui.

O Rock in Rio 2013 recomeça na próxima quinta-feira 19/09 e promete melhorar as coisas para quem acha que em um evento que tem o termo rock no nome tem que ter rock no palco também. 
   

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Rock in Rio 2013

Chegou o dia. Hoje, 13 de Setembro de 2013 começa a 5ª edição do festival no Brasil. Parace óbvio, mas já ocorreram 12 edições do Rock in Rio, sendo 4 no Brasil, 5 em Portugal, e 3 na Espanha. Para o ano que que vem já estão agendadas mais uma edição em Portugal e uma na Argentina. 

O 1º Rock in Rio, de 1985, pode ser considerado, a grosso modo, como o Woodstock brasileiro. Até então, a America Latina não era destino popular para artistas de renome internacional. Uma exceção foi o Queen, que havia tocado em São Paulo em 81, em uma apresentação antológica. Para o Rock in Rio I, seu idalizador, Roberto Medina, construiu um local próprio para o evento, a Cidade do Rock, em Jacarepaguá. 
Qualquer um que entenda um pouco do assunto e tenha memória (e idade) sabe que o Rock in Rio nunca foi apenas Rock'n Roll. Tanto é que em 85 vários artistas que não eram de Rock tocaram no evento. Alceu Valença, Ivan Lins, Moraes Moreira e Elba Ramalho não são nem nunca foram roqueiros. Do time internacional, nomes como Al Jarreau e George Benson também nada tinham de roqueiros. Por outro lado, vieram nomes de peso internacional que estavam em turnês ou então divulgando novos trabalhos. E o mais importante: eram legítimos representantes do rock. Nomes como AC/DC, Iron Maiden, Queen, Yes, Scorpions, Whitesnake e Ozzy Osbourne fizeram a história do festival.

6 anos mais tarde, em 91, foi realizada a 2ª edição do festival. Dessa vez foi usado o Maracanã e não a Cidade do Rock. Claramente mais fraco que o primeiro, o Rock in Rio II conseguiu emplacar bons momentos com artistas que estavam no auge nessa época, como Guns'n Roses e Faith no More. Outros nomes a se apresentar foram INXS, Judas Priest, George Michael e Billy Idol. Sepultura, Titãs, Engenheiros do Hawaii, Biquíni Cavadão e Lobão são alguns dos representantes do rock Brasil que por lá se passaram. Como não poderia deixar de ser, no Rock in Rio II alguns artistas que de roqueiros não tem nada também mostraram sua cara, como Debbie Gibson e Dee Lite.      

2001. Depois de um hiato de 10 anos, o Rock in Rio volta à sua terra natal. Para o Rock in Rio III foi construída uma nova Cidade do Rock, com maior capacidade que a original. Foi aqui também que começou a palhaçada. Além do palco principal, vários outros também foram construídos para abrigar outros estilos de música. Na verdade eram chamadas de "Tendas". Havia para todos os gostos: tenda eletrônica, tenda para música nacional, tenda para música africana e assim por diante.  Desse, porém, me lembro bem, até porque ocorreram alguns momentos bem interessantes e outros tantos constrangedores. O mais interessante foi a reação dos metaleiros ao show de Carlinhos Brown. Não sei quem foi o gênio que escalou o baiano para tocar na noite do metal. Carlinhos foi recebido e tocou boa parte de sua apresentação de baixo de uma chuva de copos e garrafas. Os maiores constrangimentos, ficaram a cargo de artistas detestáveis e que niguém em sã cosciência pode se dizer fã, como Britney Spears e Sandy e Júnior! As maiores vergonheiras, é claro, ficaram por conta de meia dúzia de artistas brasileiros que em cima da hora resolveram boicotar o festival por não concordarem com seus horários de apresentção ou outros motivos menos nobres. Foram eles: O Rappa, Skank, Cidade Negra, Jota Quest, Raimundos e Charlie Brown Jr. Com certeza o público que foi até lá ficou decepcionadíssimo e saiu chorando ante so boicote dos citados. O melhor momento, para mim, foi sem dúvida a memorável apresentação de Neil Young. 

Mais 10 anos se passaram e, em 2011, o Rock in Rio volta pior do que nunca. Nomes como Marron 5, Rihanna, Shakira, Kate Perry, NX Zero, Marcelo D2, Ivete Sangalo e Claudia Leitte, emporcalharam de vez com o festival. De positivo a presença do Motorhead e Metallica, para fãs de metal e Lenny Kravitz, Stevie Wonder, Jamiroquai e mais um ou outro gato-pingado.

Em 2013 o Rock in Rio volta com a promessa de muita porcaria para mostrar para quem não gosta e nem entende absolutamente nada de música. Certa vez o crítico de música Régis Tadeu disse que quem vai a festivais não gosta de música, mas sim de festival. Ele está certíssimo. Dadas as atrações que irão se apresentar a partir de hoje, o que já foi um dia chamado de Rock in Rio, deveria mudar seu nome para Pop in Rio, Music in Rio ou Rio Fest para fazer jus à seleção desta edição.

A abertura oficial do Rock in Rio V (2013) será feita pela Orquestra Sinfônica Brasileira! Depois, alguma babaquice pro Cazuza, chamada Cazuza - O Poeta Está Vivo. Originalidade zero. Quantas homenagens mais esse "gênio" precisa? O festival propriamente dito terá como primeira atração a "rock star" Ivete Sangalo, seguida de David Guetta, para o encerramento da maior "diva" do rock atual, a herdeira natural de Janis Joplin, Beyoncé! Só pode ser brincadeira. Mas não é. E o pior é que os ingressos se esgotaram apenas 4 horas após o início de sua oferta. Outros nomes de peso do "verdadeiro rock" que passarão pelo palco principal (Mundo) serão: Justin Timberlake, Jessie J, Alicia Keys, Skank e Jota Quest.

De positivo apenas os indefectíveis Iron Maiden, Metallica e Slayer para quem gosta de metal. Quem não quiser saber de metal nem das porcarias do 1º dia, tem (talvez) boas opções nas apresentações de Bon Jovi e Bruce Springsteen que, se não me engano, vem ao Brasil pela primeira vez. 

No palco Sunset, algumas atrações que podem valer mais a pena que as do palco Mundo, como Living Colour, George Benson, Pepeu Gomes com Moraes Moreira e Sepultura + Zé Ramalho.

As TVs fechadas devem transmitir boa parte do que rolar nos palcos e, se tiver alguma coisa que mereça algum comentário, volto ao tema Rock in Rio. 

No mais é aquela coisa... quem vai a festival gosta de festival e não de música, certo? Pelo menos, dessa vez, não chmaram a Claudia Leitte! 



sexta-feira, 6 de setembro de 2013

UFC Glover vs. Bader

Como já havia adiantado aqui, nessa quarta-feira que passou (04/09), Belo Horizonte recebeu pela 2ª vez o UFC. Como nã poderia deixar de ser, em todas as lutas houveram brasileiros. Como estava viajando e só cheguei em casa bem depois do início da programação, não consegui nem fazer prognósticos e nem assistir ao card preliminar. Vou fazern então alguns comentários sobre o card principal que contou com 6 combates. Desses, os brasileiros obtiveram sucesso em 50%, ou seja, apenas 3 vitórias para os lutadores da casa.

Vamos aos resultados.

1 - Marcos Vinícus, o Vina, perdeu por nocaute para o russo Ali Baugatinov. Em 3 lutas pelo UFC, o Vina só ganhou uma. É bom ficar esperto senão o Dana White dá o bilhete azul para ele, se é que não vai dar de qualquer maneira. Decepcionante. 

2 - Na sequência, a 2ª luta do card preliminar. Rafael Natal, o Sapo, enfrentou o sueco Tor Troeng, pelos médios. Grande luta de Sapo que, lutando em casa e com o apoio em massa da torcida, fez bonito e venceu o sueco. Sapo, nos 2 rounds iniciais foi fantástico, conseguindo aplicar 2 knockdowns (um em cada round) em Troeng e dominar totalmente o combate. No 3º round, o sueco lutou um pouco melhor, mas nada que pudesse ameaçar a vitória de Rafael Natal. Foi uma luta difícil, onde Sapo enfrentou o melhor peso-médio da Suecia que era bem mais alto e com mais envergadura do que ele. Mesmo assim Sapo não tomou conhecimento e derrotou Troeng com propriedade.

Tor Troeng (em pé) em uma das raras ocasiões em que levou vantagem sobre Sapo
3 - Logo depois, mais um fracasso brasileiro. Francisco Trinaldo, o Massaranduba, foi finalizado absurdamente com uma kimura pelo polonês Piotr Hallmann, no 2º round, depois de quase ter vencido no 1º. Uma lástima.

4 - Na quarta luta do card principal, duelo na categoria mosca, entre Jussier Formiga e Joseph Benavidez. A categoria mosca é muito imprevisível, com seus lutadores muito rápidos e ágeis. Não dá para bobear um segundo sequer. O brasileiro bobeou e foi nocauteado por Benavidez, o 1º do ranking na categoria. Formiga, embota entre os 10 melhores da categoria (até o combate era o 5º), é bom botar as barbas de molho, já que essa é sua 2ª derrota seguida.

5 - Se as 2 lutas anteriores foram decepcionantes, dessa não dá para reclamar. Ronaldo Souza, o Jacaré, enfrentou Yushin Okami, do Japão. Okami é meio subestimado, mas é um grande lutador, e estava na 3ª colocação no ranking dos médios. Mas Jacaré, que fazia apenas sua 2ª pelo UFC não quis nem saber. Partiu para cima desde o início e pegou Okami de jeito. Antes do 3º minuto de luta acabar, o brasileiro já o havia nocauteado. Vitória espetacular. Já falei isso aqui e repito. Jacaré é o futuro campeão dos médios. Se lutasse contra Weidman, o venceria com sobras.

Jacaré esmaga Okami contra a grade
6 - Na luta principal, duelo entre Glover Teixeira e Ryan Bader, pelos meio-pesados. Antes da luta, Bader falou que iria ganhar e nocautear, mas acho que nem ele acreditava nisso. Foi um combate muito intenso e bastante interessante. Resumo da coisa: Glover nocauteou Bader antes de 3 minutos de luta. Acontece, porém, que ele deu algumas bobeadas feias e também foi ameaçado, chegando a tomar um knockdonw pouco antes de nocautear Bader. Ao final da luta, Glover estava chateado com ele mesmo pelo excesso de confiança e por cometer alguns erros que poderiam ter custado caro. É bom pensar assim mesmo, já que na próxima deve enfrentar o vencedor do duelo entre o campeão Jon Jones e o sueco Alexander Gustafsson, que ocorre no próximo dia 21/09. Deve dar Jones, mas nunca se sabe. O importante, para Glover é estar ciente de que tanto Jones quanto Gustafsson são muito melhores e mais qualificados que Bader e que ele terá uma parada muito mais dura. Vale lembrar que Glover não perde desde março de 2005, com 20 vitórias seguidas. 

Glover amassando Bader no solo
 Dia 21/09 terá um evento que promete, com duas disputas de título na mesma noite. Jon Jones X Alexander Gustafsson, pelos meio-pesados e Renan Barão X Eddie Wineland, pelo interino dos galos.

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

UFC 164 - Resultados

66,66%. Esse foi meu índice de acerto no UFC 164 - Henderson X Pettis 2. Cantei 6 resultados e acertei 4. Errei justamente os 2 mais importantes, ou das lutas consideradas mais importtantes. 

Vamos dar uma olhada.

Ainda no card preliminar, apostei em uma vitória do brasileiro Gleison Tibau por finalização. Venceu, mas por decisão dividida. Não importa. Tibau era o azarão e conseguiu uma boa vitória sobre Jamie Varner, o favorito. Foi uma luta com 3 rounds totalmente distintos. O 1º foi muito equilibrado, podendo ter sido ganho por qualquer um dos lutadores. Nesse caso, os juízes laterais entenderam de forma dividida (2X1) que a vitória foi de Tibau. Entendo que ele só conquistou a vitória nesse round por conta de uma queda que aplicou em Varner. Quedas contam muito no UFC. O 2º round foi de domínio total do brasileiro que colocou seu adversário no chão e controlou muito bem a luta. Na volta para o 3º round, Varner voltou melhor e mais inteiro que Tibau e dominou as ações. Ao final, decisão dividida que poderia ter ido para qualquer um dos lutadores. Tibau completou sua 20ª luta na organização, mas mesmo assim sempre parece faltar algo. Ele nunca é muito convincente. Não o vejo disputando o título. Em sua categoria (Leves) temos Rafael dos Anjos melhor colocado no ranking, lutando muito melhor e de maneira mais completa e consistente. Se há algum brasileiro em condições de galgar algo mais na categroria é ele e não Tibau.   

Gleison Tibau chuta Jamie Varner

Na 1ª luta do card preliminar, o confronto foi entre Erik Koch e Dustin Poirier pelos Penas. Koch era o favorito, mesmo assim, apostei na vitória de Piorier por finalização. Deu Poirier por pontos em uma ótima e movimentada luta.

Koch (esq.) esquiva golpe de Poirier
Na sequência foi a vez do confronto entre os Pesados Ben Rothwell e Brandon Vera. Indiquei vitória de Rothwell por nocaute e acertei em cheio. Vera se limitou a fugir de Rothwell durante todo combate, mas no 3º round ele não conseguiu correr e foi nocauteado pelo grandalhão.Acho que Frank Mir está acabado. Essa foi sua 3ª derrota seguida na organização.

Rothwell acerta joelhada em Vera

A 3ª do card principal foi um combate muito movimentado entre Chad Mendes e Clay Guida, pelos Penas. Chad Mendes é um ótimo lutador e só tem uma derrota em seu cartel, justamente para o campeão da categoria, José Aldo. Clay guida é um dos lutadores mais chatos e irritantes do MMA. Fica pulando na frente de seu oponente e não para um segundo sequer. Apesar disso, é muito efetivo e perigoso. Apostava em vitória de Mendes por pontos, principalmente por Guida ser um adversário duro e de nunca ter sido nocauteado. Porém, sempre há a 1ª vez para tudo na vida e, no 3º round, Chad Mendes aplicou um nocaute técnico em Clay Guida.

Clay Guida (na grade) sendo castigado por Chad Mendes
A penúltima luta da noite foi mais um confronto de Pesados entre o ex-campeão da categoria, Frank Mir e Josh Barnett, que voltava ao UFC depois de um bom tempo. Achei que Mir ganharia por finalização. Não poderia estar mais enganado. Barnett partiu para cima e não deu chances para Frank Mir. Depois de 2 minutos de espancamento, Barnett acertou uma joelhada em cheio no rosto de Mir que o nocauteou. Grande vitória de Josh Barnett que voltou com tudo. Mais um bom nome para movimentar a categoria.

Josh Barnett e a joelhada que nocauteou Frank Mir
A última e mais aguardada luta das noite teve o resultado mais surpreendente. Quer dizer, surpreendente em termos. É evidente que Anthony Pettis tinha totais condições de vencer o campeão Ben Henderson, tanto é que já o havia vencido antes. O que surpreendeu foi a maneira como a coisa se deu. Apostei em uma vitória por pontos de Henderson, mas fui desmentido por Pettis, que finalizou Henderson ainda no 1º round com um arm-lock. Impressionante. Henderson não teve tempo de fazer praticamente nada. Até tentou um ataque e uma queda no início do combate, mas não foi bem sucedido. Pettis lutou de maneira magistral e finalizou seu rival com todos os méritos. Mesmo que se possa dizer (e se pode dizer) que Henderson defendeu de maneira errada o ataque de Pettis, isso não diminui em nada sua grande conquista. Henderson agora vai ter que juntar os cacos e entender o que aconteceu. Pettis, logo ao final da luta, intimou José Aldo para um combate. Se acontecer, pode pegar fogo.

Anthony Pettis aplica em Benson Henderson o arm-lock que lhe valeu o cinturão

Próxima quarta-feira (04/09) vai acontecer a 2ª edição do UFC em BH. As grandes atrações são os combates de Glover Teixeira, que faz a luta principal contra Ryan Bader e Ronaldo Jacaré, que enfrenta o japonês Okami, na 2ª luta mais importante da noite. Tem tudo para ser um evento sensacional. Na quarta volto com alguns palpites para essas lutas.


sexta-feira, 30 de agosto de 2013

UFC 164 Henderson vs Pettis 2 - Prognósticos

Amanhã, mais um evento UFC, com disputa de título dos pesos leves entre o campeão Benson Henderson e Anthony Pettis. Grande luta, com direito a revanche de Henderson sobre Pettis e ainda a chance de Pettis tirar o cinturão de seu rival do extinto WEC. Como estou meio sem tempo vou apenas dar alguns palpites, sem entrar em maiores detalhes sobre os confrontos em si. Para ninguém me acusar de fazer prognósticos em poucas lutas, dessa vez, farei de todas as do card principal e mais a do brasileiro Gleison Tibau, no preliminar, totalizando 6 apostas.

Vamos a elas:

1 - Leves: Benson Henderson X Anthony Pettis: Vitória de Ben Henderson por pontos;

2 - Pesados: Frank Mir X Josh Barnett: Vitória de Frank Mir por finalização;

3 - Penas: Chad Mendes X Clay Guida: Vitória de Chad Mendes por pontos;

4 - Pesados: Ben Rothwell X Brandon Vera: Vitória de Ben Rothwell por nocaute;

5 - Penas: Erik Koch X Dustin Poirier: Vitória de Dustin Poirier por finalização;

6 - Leves: Jamie Varner X Gleison Tibau: Vitória de Gleison Tibau por finalização. 


Amanhã saberemos quantas acertei. Segunda-feira que vem, volto com os comentários.


quinta-feira, 29 de agosto de 2013

UFC Condit vs. Kampmann 2

Finalmente consegui acertar 100% dos meus prognósticos para um evento do UFC. Tudo bem que só fiz 3, mas poderia ter errado os 3, certo? A boa notícia é que o evento foi muito bom, com boas e movimentadas lutas, tanto no card principal como no preliminar. 

Sem mais delongas, vamos às lutas em sí.

Meu primeiro palpite foi para o confronto entre Kelvin Gastelum e Brian Melancon. Apostei na vitória de Gastelum por finalização e acertei em cheio. Gastelum não deu nenhuma chance para Melancon e partiu para cima logo no início. Após acertar um golpe que desestabilizou Melancon, Gastelum, ao contrário do que poderia se imaginar, não partiu com tudo para definir na porrada, mas, ao contrário, usou sua técnica apurada e aplicou um rápido estrangulamento em Melancon que não teve outra alternativa a não ser desistir. Esse Gastelu é um lutador que devemos ficar de olho. É rápido, forte, explosivo e muito técnico, além de bastante jovem com apenas 21 anos. Certamente tem um futuro promissor e vai longe na carreira.

Gastelum encaixa o estrangulamento que definu o combate


A penúltima luta da noite foi entre o brasileiro Rafael dos Anjos e Donald Cerrone, pelos leves. Cerrone era o franco favorito e com razão. É um lutador muito bom e extremamente perigoso. Seu jogo em pé é muito eficiente sabendo também lutar no chão. A especialidade de Rafael dos Anjos é o jiu jitsu, por isso todos entendiam que suas melhores chances estariam no solo e que a estratégia era derrubar Cerrone e trabalhar a "arte suave". Acontece que o brasileiro evoluiu muito na luta em pé, indo treinar inclusive na Tailândia. O restante de sua preparação para lutar em pé foi feita com Rafael Cordeiro, que ganhou o título de melhor treinador de MMA em 2012. O treino surtiu efeito e Rafael dos Anjos lutou de maneira impecável, conseguindo dominar seu oponente mesmo em pé. Chegou a aplicar um knockdown em Cerrone ainda no 1º round. Seguiu dominante no combate durante o 2º round, e soube administrar com inteligência o 3º, onde Cerrone, já derrotado nos pontos, veio para uma última tentativa sem sucesso. Ao final, meu palpite se confirmou e Rafael dos Anjos venceu sua luta mais difícil até aqui no UFC. Com esse resultado o brasileiro deve ter uma ascensão no ranking e, quem sabe, daqui a mais umas 2 ou 3 boas vitórias, se colocar como desafiante ao título.

Rafael dos Anjos conecta bom chute em Donald Cerrone


Na última luta da noite, a esperada revanche entre Carlos Condit e Martin Kampmann. Kampmann havia vencido Condit em 2009, em decisão por pontos dividida. Ontem, Condit provou que, de lá para cá, evoluiu muito mais que seu adversário. No início do 1º round, Kampamann até foi bem e deu um certo trabalho para Condit, que logo conseguiu equilibrar as ações. Nos 2º e 3º rounds, Condit dominou totalmente e castigou muito seu oponente, chegando a abrir alguns cortes bem feios em seu rosto. Na volta para o 4º round, já era perceptível que não daria mais para Kampmann. Condit o atacou e consegiui o nocaute técnico logo no início do round (acertei que Condit ganharia, mas errei na maneira. Achei que seia por pontos). Ótima vitória de Condit que certamente vai exigir uma revanche contra Georges St- Pierre (caso esse consiga derrotar Johnny Hendricks em seu próximo compromisso pelo UFC). Na minha opinião, o proximo desafiante ao título dos meio-médios deve ser Damian Maia, caso ele vença Jake Shields em uma luta que acontece em outubro. 

Condir (esq.) castiga Kampmann um pouco mais


Neste sábado teremos mais um evento que promete, com a disputa do título dos leves entre Ben Henderson e Anthony Pettis. Além dessa, outras lutas parecem interessantes. Haverá um combate nos pesados entre Frank Mir e Josh Barnett. Uma luta que interessa anós brasileiros é o confronto entre Gelison Tibau e Jamie Varner, pelos leves.

Amanhã volto com os prognósticos para esses confrontos.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

UFC Condit vs. Kampmann 2 - Palpítes

Acontece hoje (hoje mesmo, quarta-feira 28/08) o evento Condit vs. Kampmann 2 do UFC em Indianápolis. Ao que tudo indica é um evento de menor porte, já que é em uma quarta-feira (fato que já se repetiu algumas vezes e acontecerá semana que vem novamente, em BH com Glover Teixeira vs Ryan Bader) e com pouco apelo para os brasileiros, já que haverá apenas um brasileiro lutando. Mas, apesar disso, entendo que vale a pena assistir e prestar atenção em alguns novos talentos que surgem a cada dia.

Como sempre, faço algumas apostas. Dessa vez, farei prognósticos apenas das 3 principais lutas da noite.

1 - Carlos Condit X Martin Kampmann:  Vindo de 2 derrotas consecutivas (Georges St-Pierre e Johnny Hendricks), Carlos Condit tem a chance de retomar o caminho da vitória, bem como sair vencedor da revanche contra Martin Kampmann, que o derrotou em 2009. De lá para cá, Carlos Condit teve uma série de 5 vitórias, interrompida justamente por Georges St-Pierre. Martin Kampmann também vem de derrota para Johnny Hendricks, por nocaute e, apesar de ter derrotado Condit em 2009, não conseguiu uma sequência de vitórias tão grande como seu adversário dessa noite.

Palpite: Vitória de Carlos Condit por decisão.  


2 - Donald Cerrone X Rafael dos Anjos: Apesar de apenas 1 brasileiro em ação, Rafael dos Anjos fará a 2ª luta mais importante do evento e é também o brasileiro melhor posicionado no ranking dos leves (10º). Acontece que dos Anjos enfrenta Donald Cerrone, o "Cowboy", que tem a maioria de suas vitórias por finalização. Parada duríssima para dos Anjos, que terá que se desdobrar para vencer o 6º do ranking dos leves. Tem boas chances.

Palpite: Vitória de Rafael dos Anjos por decisão.


3 - Kelvin Gastelum X Brian Melancon: O vencedor do último TUF dos EUA, Kelvin Gastelum, volta ao octógono. Após uma grande vitória na final do TUF 17 contra o favorito Uriah Hall, Gastelum enfrenta agora, o também americano, Brian Melancon, pelos meio-médios. Gastelum chega com moral de ter vencido o último TUF e também com o fato de estar invicto na carreira. Melancon tem mais lutas no cartel, mas já foi derrotado 2 vezes (ambas por decisão). Promete ser um combate bastante equilibrado, mas aposto em Gastelujm por seu retrospecto e por ter vencido (com propriedade) Uriah Hall que, durante o TUF mandou 3 adversários para o hospital.

Palpite: Vitória de Gastelum por finalização.


Amanhã volto com os resultados.  


sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Campanha Infame

Sempre digo que praticamente tudo produzido no Brasil é mais caro e de qualidade inferior ao que existe fora daqui. Em se tratando de produções estratais, a coisa fica ainda pior. Nesse caso estou me referindo às inúteis e dispendiosas campanhas de trânsito.

Não sei no restante do país o que está acontecendo em relação a isso, mas aqui em Curitiba, nosso prefeito e mais novo amiguinho da corja petista, Gustavo Fruet, certamente muito bem assessorado por seus novos asseclas, decidiu resolver o problema da violência no trânsito da capital paranaense de uma vez por todas. Colocou no ar uma campanha de educação no trânsito que certamente será muito efetiva.

Como toda campanha que se preze, há, além das questões óbvias do trânsito, uma personagem que dá a "cara" da tal campanha. Algo como um mascote, a presença constante que dá à campanha sua identidade própria. 

Para quem ainda não conhece, apresento a campanha "Trânsito Moderno", estrelada pela "Vó Gertrudes". 

Antes de prosseguir, assistam a um dos materiais produzidos aqui.

Que tal? Patético, certo? Tal campanha já estaria totalmente defasada e fora de moda nos anos 50. Hoje é uma piada grotesca que vai custar ao contribuinte alguns milhões. O problema dos anúncios, de uma meneira geral, nem são os anúncios em si, mas sim quem aprova sua veiculação. A prefeitura ecomendou o material para sua agência de publicidade que o produziu. Se o resultado foi essa porcaria que se vê acima, tudo bem. O problema maior é que alguém achou ótimo, ao ponto de ter sido aprovado e ido para o ar. Será que o prefeito assistiu ao material antes de deixar veicular? Ou foi irresponsável e confiou em sua equipe e autorizou sem nem ter dado uma olhada? Em qualquer dos casos, ele fez besteira.

Em relação ao material em si, não tem muito o que falar. Ele é auto-explicativo. Cheio de clichês ridículos e sem apelo nenhum a quem deve atingir e conscientizar. Uma velha intrometida e antipática, em um fusca, dando lições de moral? Para com isso. Você acha que alguém, qualquer um, que tem o costume de beber e dirigir vai pensar duas vezes antes de fazer isso, por conta da Vó Gertrudes? Nesse vídeo fica claro que o alvo são os jovens que saem à noite, bebem e, mesmo assim, dirigem. 

Agora, outro material da campanha que está em veiculação.

Pior ainda. Não sei o que é pior. A total falta de apelo ou o humor tão forçado que chega a dar pena. Percebam ainda que o idoso é retratado de uma maneira lamentável. Chato, implicante e dono da razão. O estereótipo é levado ao limite do rídiculo.  É muito ruim. Pior que os programas produzidos pela RPC. 

Vejam aqui como os EUA abordaram um problema crescente em suas ruas: o hábito de escrever no smartphone e dirigir ao mesmo tempo. Quem teve interesse e assistiu ao vídeo acima percebe que a abordagem faz muito mais sentido do que a velhinha dando saltos mortais no meio da rua. A mensagem clara é entregue justamente ao público-alvo. Lá não tentaram usar como garoto-propaganda de trânsito moderno a Grandma Ruth. Sem estereótipos e direto ao ponto. Nada de ficar "intimando" o motorista que parou um pouco (não deveria ter parado nada, é claro!) em cima da faixa.

Para quem ainda quiser rir um pouco, se irritar ou ficar com a famosa vergonha alheia, existe uma página do Facebook com mais dicas da Vó Gertrudes. O endereço é: dicasvogertrudes.com.br. 

Acesse por sua conta e risco. 

  

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

UFC Shogun X Sonnen Comentários

É isso aí. Mais um bom evento com grandes lutas com alguns resultados surpreendentes e uma decepção enorme. Sexta-feira passada fiz alguns prognósticos sobre alguns possíveis resultados de algumas lutas que considerava mais interessantes. De 4, acertei em cheio 3 e errei feio 1. 75% de aproveitamento. Não fosse o resultado que errei estaria bem contente.

1 - Diego Brandão X Daniel Pineda: Apostei meio relutante em vitória do brasileiro por pontos. Acertei. Brandão começou muito bem o combate, dominando as ações no 1º round. No 2º round, o americano cresceu e começou a levar perigo. Luz amarela para Brandão, que voltou para o 3º round e lutou com inteligência, derrubando Pineda e o mantendo no chão, marcando pontos importantes que garantiram sua vitória. A obediência tática de Diego Brandão foi fundamental para essa importante vitória. Pineda é um bom lutador, o que engrandece ainda mais a vitória do brasileiro.

Diego Brandão acerta uma direita em Daniel Pineda


2 - Já no card principal, uma luta interessante entre o brasileiro Iuri Alcântara, o Marajó, e Urijah Faber, dos EUA. Já previa uma luta dificílima para Marajó, com vitória de Faber por pontos. Foi exatamente o que ocorreu. Marajó até começou muito bem o combate, colocando Faber no chão e, utilizando ótimas e rápidas transições quase o finalizou. Mas Urijah Faber é um grande lutador e muito experiente. Soube esperar o momento certo e, ainda no 1º round, virou o jogo a seu favor. Os rounds 2 e 3 foram uma mera repetição um do outro, com Faber controlando por cima e aplicando perigosas cotoveladas em Marajó que não conseguiu sair dessa posição incômoda. Vitória incontestável de Faber. Marajó é um ótimo lutador, mas ainda está meio cru. Provou que ainda não tem cacife para enfrentar os TOPs da categoria e, muito menos, brigar pelo título. Mas tem futuro e vai chegar lá. Tudo a seu tempo.

Faber domina Marajó no chão


3 - Penúltima e muito aguardada luta da noite. Confronto nos pesados entre Alistair Overeem da Holanda e Travis Browne dos EUA. Para minha estranheza, o pessoal do Canal Combate, que normalmente fala coisa com coisa, estava considerando Overeem como o favrito. Eu, em minha humilde opinião, sempre ecreditei muito mais em Browne. Cravei vitória de Browne por nocaute e acertei novamente. Overeem começou muito bem, partindo com tudo e encurralando Browne que só se defendia. Overeem chegou a derrubá-lo e acertar vários golpes, que Browne aparava com a luva. Até parecia que a luta seria interrompida, mas Browne se movimentava e estava vivo no combate. Aos poucos, ele se recompôs e passou a tentar uma série de chutes altos contra o holandês. Um desses chutes pegou em cheio o queixo de Overeem que despencou. Browne só teve o trabalho de acertar mais 2 marretadas em cheio no rosto de Overeem antes que o árbitro interrompesse o que seria um massacre. Para mim, Overeem está acabado depois dessa. Temos que ficar de olho nesse Travis Browne que é um lutador muito perigoso e deve ser um dos próximos desafiante ao conturão dos pesados.

Travis Browne acerta em Overeem o chute que definiu a luta


4 - Meu último palpite foi na luta entre Maurício "Shogun" Rua e Chael Sonnen. Todos sabem o resultado. Sem comentários. Alguém aí viu Shogun aparecer para lutar? Shogun já era!

Sonnen com a guilhotina encaixada em Shogun


Esse final de semana não tem UFC, mas na próxima teremos 2. Um na quarta e outro, com direito a disputa de título que promete ser sensacional, no sábado 31/08. 

Até breve!


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

UFC Fight Night 26: Shogun X Sonnen

Neste sábado, mais um evento do UFC que promete, com algumas lutas que acredito serão bem interessantes de se acompanhar. Além da óbvia Shogun X Sonnen, teremos alguns outros combates que merecem atenção. A 2ª luta mais importante da noite será o combate entre Overeem e Browne. Outras que interessam aos brasileiros são as participações de Iuri Marajó contra Urijah Faber e Diego Brandão que enfrenta Daniel Pineda.

Como não poderia deixar de ser, faço aqui as minhas apostas:

Diego Brandão X Daniel Pineda: BRA X EUA. O combate pelos penas promete ser bem equilibrado. Estatisticamente ambos os lutadores tem um cartel parecido, com Pineda tendo mais vitórias por finalização e Brandão por nocaute. Tough call.

Palpite: Resultado imprevisível. Aposto no brasileiro por decisão por pura patriotada.


Urijah Faber X Iuri Alcantara: Pelos galos, combate extremamente complicado para Iuri Alcantara, o Marajó. Seu oponente, o americano Urijah Faber, é um dos melhores da categoria, ficando abaixo apenas, na minha opinião, de Renan Barão. Para se ter uma ideia, suas últimas 3 derrotas foram justamente para Renan Barão (campeão interino), Dominick Cruz (campeão) e José Aldo, que luta na categoria de cima (campeão dos penas). Essas derrotas, porém, foram todas por decisão. Marajó é ótimo lutador, mas não enfrentou tantos oponentes qualificados como Faber. Marajó também tem um igual número de vitórias por nocaute e finalização. Faber só sofreu 2 nocautes em sua carreira e nunca foi finalizado. Mas sempre há a 1ª vez.

Palpite: Vitória de Urijah Faber por decisão.


Alistair Overeem X Travis Browne: Nesse duelo de pesados, parada duríssima para ambos. Tudo vai depender de como Overeem venha para o combate. O problema, todos sabemos, é que ele não aguenta muito tempo. Se chegar ao 3º round, ele estará morto e sem gás. Não que Travis Browne precise esperar tanto. Entendo que ele é um lutador muito perigoso, sendo mais alto, mais novo e mais leve que Overeem. Além disso ele ganhou mais de 70% de suas lutas por nocaute e Overeem perdeu quase 60% de suas lutas por nocaute. Para mim ele é um adversário muito mais perigoso para o holandês do que Pezão. Para Overeem, a única alternativa é derrubar e aplicar o ground and pound. Se quiser trocar em pé será certamente nocauteado. Vale lembrar de que ele foi nocauteado 2 vezes no Pride por Shogun, que é peso meio-pesado.

Palpite: Vitória de Travis Browne por nocaute.


Maurício "Shogun" Rua X Chael Sonnen:  Shogun é a pior escolha possível para Sonnen. Não há como Sonnen conseguir vencer esse combate. Shogun é muito melhor e mais forte do que ele e, mesmo que esteja fora de forma (as informações dizem que ele está em grande forma) ele ganharia fácil de Sonnen. Sonnen só sabe derrubar e aplicar o ground and pound. Mas é fraco e bate como uma menina. Não tem potência nenhuma. Mesmo que consiga derrubar Shogun, deve mantê-lo no chão e por baixo, o que é bem difícil. Se quiser lutar em pé levará a maior surra de sua carreira. Além disso, Sonnen tem 60% de suas vitórias por decisão e Shogun tem 86% de suas vitórias por nocaute. Acho que Shogun vai fazer um estrago maior ainda em Sonnen do que fez Jon Jones.

Palpite: Shogun vence por nocaute.

Segunda-feira volto para comentar os resultados. Se errei algum, podem me cobrar.


quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Obama Cara-de-Pau

Vou partir do princípio de que todo mundo está mais ou menos informado a respeito do que está acontecendo no Egito nos dias de hoje. A violência está desenfreada e o pau comendo solto. Muito bem.

Leio hoje a notícia no portal Terra que reproduzo abaixo na íntegra:

Obama condena violência e diz que Egito está em um "caminho perigoso"

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condenou fortemente a violência registrada no Egito ontem e afirmou que o país africano está tomando um "caminho perigoso". Em um pronunciamento transmitido direto de Martha's Vineyard, onde passa férias, o líder americano disse que o povo egípcio merece o melhor, mas que o trabalho rumo à paz e à estabilidade é responsabilidade interna. Obama também anunciou o cancelamento do exercício militar anual realizado em conjunto com as forças armadas egípcias, mas manterá o repasse anual de cerca de US$ 1,3 bilhão aos militares.

"O povo egípcio merece algo melhor do que o que vimos nos últimos dias. O ciclo de violência deve parar", afirmou o presidente durante o discurso de emergência no Estado de Massachusetts. "Apenas dois anos atrás, o desejo de mudança dos egípcios inspirou os EUA. Na época, afirmamos que as mudanças não viriam rapidamente ou facilmente. Mas nós estamos alinhados em uma série de princípios: não-violência, respeito pelos direitos universais e um processo por reformas políticas e econômicas", disse. "Nós acreditamos que nações são mais estáveis e têm mais sucesso quando são guiadas por esses princípios. Este é o motivo de estarmos preocupados com os recentes acontecimentos no Egito", acrescentou.

Obama condenou as ações do governo interino e das forças militares, mas disse que os Estados Unidos não podem "determinar o futuro do Egito". "Não vamos tomar partido por nenhum partido ou figura política. Este tipo de relação não ajudara o povo egípcio", disse, para em seguida criticar as "prisões arbitrárias" realizadas pelas forças militares do governo interino. Obama também defendeu o direito da população protestar e pediu que as autoridades retirem o estado de emergência e o toque de recolher imposto ontem depois dos confrontos.

O pronunciamento do presidente americano foi uma resposta de emergência do governo americano ao massacre ocorrido ontem no país africano. Segundo números oficiais, mais de 500 pessoas morreram e mais de 3 mil ficaram feridas durante uma operação de desmantelamento de dois acampamentos montados por apoiadores do ex-presidente Mohamed Mursi, deposto pelos militares no início em julho após dias de manifestações contrárias à sua gestão. A Irmandande Muçulmana, grupo de Mursi, afirma que o número de vítimas pode passar de 4 mil.

Esse Obama é muito cara-de-pau mesmo. É um palhaço de circo. Ele e sua administração de faz-de-conta são os maiores responsáveis por toda essa onda de violência que acontece não só no Egito, mas também na Líbia e outros países da região. Desde que a tal "primavera árabe" eclodiu, um bando de intelectuais e jornalistas de miolo-mole ocidentais achou tudo aquilo uma maravilha e que finalmente a democracia iria chegar a esses países. Ledo engano. Esses caras não conhecem e nem nunca quiseram saber de democracia.  Agora os países ocidentais, principalmente os EUA observam o monstro que ajudaram a criar. 

Mubarak do Egito não era flor que se cheirasse, e Kadafi (ou Gadaffi), o ditador líbio menos ainda, mas eram aliados de quem se sabia o que esperar. Como ficou provado eram eles que seguravam os extremistas da Irmandade Muçulmana, grupo terrorista que existe há quase 100 anos. a Irmandade é que está por trás de todas essas revoltas no norte da África. Antes que algum bobalhão venha alegar que a Irmandade não é terrorista, lembrem de que o Hamas dela foi parido.

Barack Hussein Obama certamente entrará para a história como o pior presidente americano de todos os tempos. Pior até que seu amiguinho democrata, o plantador de amendoins Jimmy Carter. Carter também ficou famoso por perder um aliado importante no oriente médio para o radicalismo islâmico em 79. O Irã. De lá para cá veja o que ocorreu. O Irã está com seu programa nuclear adiantado, é inimigo declarado dos EUA, quer varrer Israel do mapa, é amiguinho dos russos e financia e fornece armamento clandestinamente para o grupo terrorista Hezbollah. Ótimo negócio fizeram os EUA com o Irã e agora com o Egito, que era seu principal aliado na região e também com a Líbia. Os democratas americanos são ótimos em trocar amigos e aliados por inimigos totalmente imprevisíveis, apenas para agradar a imprensa e opinião pública, representada por alguns artistas de cinema que adoram Cuba e Fidel, e o beautiful people de esquerda em geral. 


segunda-feira, 12 de agosto de 2013

A Cavalgada

O rock certamente desperta paixões. Paixões e, em certos casos, histeria. Isso é incontestável desde que ele surgiu. Podemos verificar reações mais exaltadas desde Elvis, passando pelos Beatles, até os dias de hoje, com vários embusteiros que se apresentam por aí como roqueiros.

Dentre os vários gêneros e sub-gêneros do rock, um dos que mais desperta essas paixões, se não for o que mais desperta, é o heavy metal. Seus fãs, em grande parte, são também torcedores das bandas. Pode observar. E, dentre as várias bandas de heavy metal, existe uma que é quase uma unanimidade:

O Iron Maiden. 

Seus fãs são extremamente dedicados. Acho que só perdem para os fãs do Grateful Dead. 

Mas não estou aqui hoje para falar da banda em si ou de seus fãs. Nem mesmo da qualidade de seus músicos, que é indiscutível. O que me levou ao post de hoje foi uma constatação que fiz outro dia, quando ouvia, porém, uma música do Led Zeppelin. 

Já chego lá.

Citei o Iron Maiden justamente por conta de um fator bem característico que encontramos em algumas de suas músicas: a "cavalgada".

Na minha opinião, a tal cavalgada é mais que simplesmente uma técnica de baixo empregada por Steve Harris, tanto é que todo o conjunto acompanha. Com certeza a linha de baixo tem o papel principal, sendo o que sustenta e cadencia a cavalgada, mas de qualquer maneira todo o conjunto toca em função dela, a completando. É uma característica bem interessante. 

Lendo alguns fórums de discussão, vários fãs sustentam que tal levada é característica da banda e nunca ouviram nenhuma outra executando algo parecido. Um ou outro participante dos fórums ainda tentam citar timidamente um ou outro exemplo de bandas que usam (ou já usaram alguma vez) a cavalgada, mas sem muita confiança. Algo como: "... acho que tem uma música do Slayer que também tem..." e assim por diante.

Antes de continuar, vamos dar alguns exemplos da tal cavalgada paras quem não conhece:

1 - A mais famosa é, sem dúvidas, a da música The Trooper, do disco Piece of Mind;

2 - Em Wrathchild, do disco Killers e ainda com o vocalista Paul Di'Anno, eles já ensaiavam a cavalgada;

3 - A mais interessante, para mim, por conta de sua cadência é Rime of the Ancient Mariner, do disco Powerslave. Ouça com atenção.

Como disse alguns parágrafos acima, outro dia, ouvindo uma das minhas músicas favoritas do Led Zeppelin, Achiles Last Stand, achei uma grande semelhança, em certos momentos, com a cadência mais lenta da cavalgada de Rime of the Ancient Mariner. Ouça aqui e comprove. Nesse caso, é também o baixo que dá a cadência.

Como essa música é do disco Presence, de 1976, mais antiga que as do Iron Maiden, cujo 1º disco é de 1980, mostra que, pelo menos uma outra banda já utilizou essa técnica.

Outro exemplo, do próprio Led Zeppelin, é Immigrant Song, do Led Zepplein III, de 1970.

Minha intenção aqui é apenas mostrar que um recurso ou técnica interessante pode ser usado por mais de um artista, sem que seja taxado de plagiador ou coisa parecida. Ás vezes o que é característica de um, por outro pode ser utilizado sem maiores pretensões. Fazer comparações ou dar crédito a esse ou aquele por ter feito algo antes também nunca foi meu objetivo.

Ouça as músicas acima me diga se falei besteira ou faz sentido.


quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Wolverine: Imortal - Análise

Mais um filme de super-herói e mais um filme do Wolverine. 

Verdade seja dita, o Wolverine é o único X-Men que é legal, certo? Alguém iria se animar em assistir um filme do Cyclops ou da Storm? Claro que não. 

The Wolverine (2013), que no Brasil recebeu o indecente título Wolverine: Imortal é o 2º filme a abordar o mutante mais famoso. O 1º foi X-Men Origens: Wolverine. Esse filme até que começa bem. Aliás, seu início é muito bom, mostrando de onde veio o Wolverine e mostrando sua trajetória, sempre em alguma guerra, com o passar dos anos. Acontece, porém, que o filme desanda, ficando uma droga e acabando como uma perfeita porcaria.  

Em Wolverine: Imortal, a ação acontece após os eventos de X-Men: O Confronto Final (X-Men: The Last Stand), de 2006. Aqui, nosso herói está passando por uma crise existencial e tem pesadelos sempre envolvendo sua amada Jean Grey. Além disso, Logan/Wolverine, para manter a promessa de nunca mais matar ninguém, que fez à Jean, tem vivido como um pária nas florestas. Essa situação muda radicalmente quando ele é levado ao Japão para dar adeus a um velho amigo, mas acaba se envolvendo em uma série de disputas entre a família do amigo Yashida e a Yakuza. Além disso, ele deve ser capaz de defender a neta de Yashida, alvo de ambos lados da disputa. Para isso ele precisará quebrar sua promessa.

A trama é mais ou menos isso aí. Uma mistura de filme de ação com policial, tendo como pano de fundo a crise de um wolverine ainda mais atormentado por seus fantasmas do passado. Funciona? Não muito bem. O filme é bem feito e tal, mas é meio chato e não empolga. Nem o carisma de Hugh Jackman consegue salvar o filme. Outra coisa meio chata é o fato de que Logan/Wolverine passa praticamente o filme inteiro sem camisa. Pra que isso? A história também não é das melhores, ficando meio capenga e com algumas pontas soltas. É tão frustrante que nem tem muito o que escrever a respeito. Depois de terminar a exibição, você acaba pensando que alguns personagens são totalmente desnecessários, como Shingen, filho de Yashida . Sua personagem é muito mal utilizada e fica meio perdida quando aparece. Outro ponto negativo é o vilão. Ou melhor, os vilões. Um deles é uma mutante totalmente inexpressiva chamada Viper, que aliás não notei ter seu nome pronunciado nem uma vez sequer. Filme de super-herói tem que ter um vilão que se preze, certo? Aqui não. Além disso, desde o 1º instante que a tal Viper entra em cena, você já sabe que ela vai ser problema. Fica tudo muito evidente e escancarado. Há ainda mais 2 vilões no filme: Shingen, o vilão sem muito sentido e outro que aparece bem no final para dar uma reviravolta totalmente despropositada. Um absurdo.

Acho que esse filão de filmes de super-heróis está se esgotando, apesar das maioria das pessoas gostarem muito. Os filmes estão cada vez piores. Os enredos praticamente não existem, sendo substituídos por cenas de ação e explosões sem fim. Na verdade é isso que os espectadores querem. Quando vão assistir ao filme, colocam o cérebro no automático e, quanto mais ação e correria melhor. 

O pior é que tem mais coisa vindo aí, como o novo Thor, que deve estrear por aqui no começo de novembro. Para o ano que vem, mais precisamente em maio, será lançado mais um X-Men, chamado X-Men: Days of Future Passed ou Dias de um Futuro Esquecido. O filme ainda está em produção, mas ja se sabe que Wolverine (sempre ele) deverá ser mandado pelos X-Men de volta ao passado para se juntar aos jovens Xavier e Magnetto para alaterar um evento de proporções catastróficas que pode impactar tanto os humanos como os mutantes.

É esperar para ver.


segunda-feira, 5 de agosto de 2013

UFC 163 - Aldo vs. Korean Zombie

Voltanto com os resultados de algumas lutas do UFC 163. Sexta-feira passada dei alguns prognósticos e, acertei 3 de 4. Uma evolução, sem dúvida. O UFC 163 foi um evento muito bom e movimentado, com ótimas lutas e alguns resultados surpreendentes. Vou me ater apenas às 4 lutas que antecipei o resultado na sexta 02/08.

Amanda Nunes X Sheila Gaff. Apostei na vitória da brasileira por nocaute técnico e acertei em cheio. Amanda não tomou conhecimento da alemã Gaff que, antes da luta havia falado algumas asneiras, partindo com tudo para dentro dela. Encurtou a distância rapidamente e logo aplicou uma queda, aproveitando-se da deficiência que a alemã tem na luta de chão. Como Amanda Nunes tem um chão bem afiado não foi difícil estabilizar a posição e trabalhar bem o ground and pound com socos e cotoveladas. A partir daí foi só esperar a interrupção do árbitro determinando o final do combate por nocaute técnico ainda no 1º round. Grande estréia dessa ótima lutadora brasileira que já garante seu lugar na história do evento como a 1ª brasileira ganhar uma luta no UFC.

Amanda Nunes aplica queda em Sheila Gaff


Minha 2ª aposta foi feita na 1ª luta do card principal, entre o paranaense John Lineker e José Maria, o No Chance (Sem Chance). Cravei na vitória de Lineker por nocaute e acertei. Após um 1º round bem interessante, onde Lineker chegou a ser acertado inesperadamente por Sem Chance e quase se complicou, esse voltou com tudo para a 2ª etapa e não deu chance para Sem Chance. Partiu para cima e acertou um ótimo golpe na linha de cintura que fez com que Sem Chence despencasse. Lineker não perdeu tempo e partiu para cima do adversário caído, aplicando vários golpes até a interrupção do árbitro. Grande vitória desse lutador que bate muito pesado e pode ter um futuro promissor na categoria dos penas.

John Lineker trabalha com ground and pound em Sem Chance


Na 2ª luta mais importante da noite, entre o brasileiro Lyoto Machida e o americano Phil Davis, apostei na vitória do brasileiro por pontos. Errei. Deu o americano por pontos. Esse pode ser considerado um resultado controverso e polêmico, mas também pode ser aceitável, da maneira como o combate transcorreu. Normalmente as lutas do Lyoto não são muito emocionantes e essa não foi diferente. Apostando em seu estilo característico de usar os contra-golpes, Lyoto não teve boa jornada dessa vez. Não que Davis levasse algum perigo. Muito pelo contrário. Em momento algum Lyoto foi seriamente ameaçado. O que acontece é que Lyoto também não foi muito efetivo, o que lhe custou caro. Foi derrubado 2 vezes no combate. Cada uma delas no final de cada um dos primeiros rounds. E isso lhe custou a vitória. No UFC, uma queda aplicada pelo lutador tem tanto peso como um knockdown. E Lyoto, apesar do domínio do ring, não levou seu oponente ao solo de maneira alguma. Pagou caro. Phil Davis, jogando com as regras embaixo do braço, fez o mínimo para vencer. E conseguiu, mesmo sem acertar um golpe sequer em Lyoto. Muita gente ficou com raiva do que ocorreu, mas Lyoto assumiu o risco que é deixar a decisão nas mãos dos jurados. Porém, ele não pode reclamar, pois usou do mesmo expediente em seu combate contra Dan Henderson e só saiu vencedor pois aplicou uma queda em Henderson ainda no 1º round. Situações muito parecidas. O que não dá para aturar são comentários de várias pessoas que começaram a assistir o UFC pela Globo e agora ficam fazendo análises totalmente descabidas. Tem gente que está falando que Lyoto entregou a luta. Agora é assim: se o brasileiro ganha é gênio, mas se perde entregou a rapadura e tudo não passa de uma grande marmelada. Lamentável.

Lyoto Machida se esquiva de chute de Phil Davis


Meu último palpite era, claro, para o confronto entre José Aldo, o campeão dos penas e Chang Sung Jung, o Zumbi Coreano. Apostei na vitória do brasileiro por nocaute. Acertei. Disse que não via como o Zumbi Coreano pudesse vencer. Apesar de ter sido uma luta um pouco mais apertada, José Aldo não passou nenhum grande sufoco e também não correu maiores riscos. Dominou totalmente nos 2 primeiros rounds e foi pressionado por alguns momentos no 3º. No 4º round, aplicou uma sequência de chutes altos que abriram caminho para sua vitória através do ground and pound. Mesmo tendo vencido, ficou uma coisa estranha no ar, como se José Aldo não tivesse lutado 100%. Descobrimos o porquê logo após o término do combate, quando veio a informação de que logo no 1º chute desferido contra o coreano, José Aldo acertou seu joelho, o que o contundiu seriamente. Faz todo o sentido, pois seus potentes chutes baixos são uma arma muito eficiente e ele não estava usando. Agora se sabe o motivo. Segundo o próprio José Aldo, com essa lesão em seu pé, ele não conseguia se equilibrar direito e muito menos chutar, mas mesmo assim, desferiu chutes altos em sequência para abrir seu caminho para a vitória em cima do coreano que havia deslocado seu ombro um pouco antes a já dava sinais de que não dava mais para ele. Grande vitória de José Aldo em sua 5ª defesa de título, mostrando que na categoria não tem para ninguém. Agora, parece que ele terá a chance de tentar lutar entres os leves, uma categoria acima. Vamos ver o que ocorre na sequência.

José Aldo chuta o ombro "detonado" do Zumbi Coreano


Volto com o assunto UFC/MMA na semana do dia 17, onde teremos outro grande combate entre Shogun e Sonnen. 


sexta-feira, 2 de agosto de 2013

UFC 163 Aldo vs Zumbi Coreano - Palpites

Mais um grande evento que se aproxima: UFC 163 com direito a disputa do título dos penas entre nosso querido Zé Aldo e Chan Sung Jung, o Zumbi Coreano. Além dessa, teremos a oportunidade de ver vários brasileiros em ação (já que o evento é no Rio), como Lyoto Machida, bem como a estréia da brasileira Amanda Nunes, que encara a alemã Sheila Gaff. Vou dar alguns prognósticos rápidos sobre alguns dos combates programados.

Amanda Nunes X Sheila Gaff: Estréia de outra brasileira na organização. Dessa vez é Amanda Nunes, que vai enfrentar a alemã Sheila Gaff, conhecida como "The German Tank". Apesar de menos experiente que sua oponente, acredito que Amanda Nunes deve ter um melhor rendimento em relação à Jessica Andrade (que lutou e perdeu semana passsada), já que seu estilo combina bem com o de Sheila Gaff, uma vez que ambas gostam de lutar em pé. Amanda é uma striker por natureza que ganhou a maioria de suas lutas por nocaute.

Palpite: Amanda Nunes vence por nocaute técnico.


John Lineker X José Maria Tome: Já pelo card principal teremos um combate interessante entre o paranaense John Lineker e José Maria, o No Chance, pelos moscas. Lineker tem o apelido Hands of Stone e não é por acaso. O cara bate muito forte e tem um poder de nocaute fora do comum para a categoria. O problema é sua enorme dificuldade de bater o peso. Se conseguir, deve fazer um grande combate contra No Chance, que é um lutador muito experiente com 33 vitórias e apenas 3 derrotas em seu cartel. Ambos tem a maioria de suas vitórias por nocaute ou nocaute técnico, o que deve tornar a luta bem movimentada. 

Palpite: John Lineker vence por nocaute.


Lyoto Machida X Phil Davies:  Na 2ª luta mais importante do evento, o brasileiro Lyoto Machida enfrenta o americano Phil Davies. Muito festejado por Dana White, o wrestler Phil Davis é, na minha opinião, um lutador extremamente superestimado, embora tenha derrotado alguns nomes de peso da categoria como Alexander Gustaffson (próximo desafiante de Jon Jones ao título dos meio-pesados) e Minotouro. Sua única derrota foi para o mediano Rashad Evans, que foi espencado por Lyoto. Lyoto é um lutador muito mais completo e versátil que Davies e, na minha opinião, seu estilo de luta será péssimo para o americano.

Palpite: Lyoto Machida vence por decisão.


José Aldo X Chan Sung Jung: Mais uma defesa de título de José Aldo que está invicto no UFC. José Aldo é o franco favorito, com 22 vitórias e apenas 1 derrota em sua carreira, estando invicto há 15 lutas e tendo 13 de suas vitórias por nocaute. Além disso, Aldo venceu um número muito maior de oponentes qualificados que seu adversário, como Frankie Edgar, Chad Mendes, Kenny Florian e Urijah Faber. O Zumbi Coreano, por sua vez, tem também um bom cartel, com 13 vitórias e 3 derrotas. Ao contrário de José Aldo, o coreano obteve a maioria de suas vitórias (8) por finalização, sendo esse o único caminho para ele no combate. Se ficar em pé na frente de Aldo será nocauteado. O problema, para ele, é que José Aldo tem uma ótima defesa de quedas e se vira muito bem no chão. Entendo que as chances do Zumbi Coreano derrotar José Aldo são muito reduzidas.

Palpite: José Aldo vence por nocaute.

É isso aí, segunda-feira volto com os resultados e análises das lutas.